outubro 08, 2016

Paixão



Descobri que sou uma apaixonada inveterada (diz-se de quem tem determinado hábito, vício ou comportamento inveterado (leitora inveterada; bêbado inveterado)). Uma das definições de paixão, é que ela é um "sentimento, gosto ou amor intensos a ponto de ofuscar a razão".         
Sou apaixonada! Apaixonada por Deus, pela minha família, por minhas amigas e amigos, pela natureza, por aprender algo novo, por artesanato, por comida, por atividade física, por sorrisos, por locais, por pessoas, por causas, enfim, pela vida!
De vez em quando me apaixono novamente. Aliás, de vez em sempre! Costumo dizer que sou intensa naquilo que faço, e isso é paixão. Quando começo a fazer algo de que gosto, vou a fundo, quero saber mais, me dedico. Atualmente minha maior paixão é a nutrição, além, claro, do meu marido, minha filha, minhas amigas/amigos, etc.     
Ao longo da minha vida, já tive algumas paixões. Por exemplo, fui muito apaixonada pelo meu avô e pelo meu sogro, amava conversar com eles (cada um em sua época) e ouvir suas histórias de vida. Gosto de conversar com idosos.
É muito bom se apaixonar, porque a gente acaba pensando muito no objeto da paixão e tenta fazer sempre o melhor. Como professora, sempre fui apaixonada pelos meus alunos. Alguns também se apaixonaram por mim e quando me encontram, fazem questão de cumprimentar, dar beijo e até lembrar daquele período que se foi, com muita alegria.              
Deus se tornou minha "paixão" aos 20 anos num momento de tristeza. Paixonites de garota me fizeram deprimida. Ele me trouxe de volta à vida, me fez viver uma história linda e comecei a sorrir. Fiz muitos amigos, encontrei (ou fui encontrada) pelo amor da minha vida, meu marido, me deu uma filha linda e amorosa e tem seguido à minha frente, me livrando do mal.     
No quesito homem/mulher, paixão e amor, de acordo com o Pscychology Today (veja aqui) são coisas diferentes: a paixão tem foco na aparência, não leva a discutir sentimentos reais, já o amor leva a querer passar tempo com a pessoa, fazê-la feliz, levá-la a querer ser alguém melhor. Apesar das diferenças, ambas as sensações são processadas na mesma área cerebral, mas por partes diferentes.
Já no quesito vida, o site A Mente Maravilhosa, explica que a paixão é uma das emoções mais intensas que podemos sentir na vida e que ela constitui a alma do nosso próprio sucesso. Podemos sentir paixão quando nos dedicamos ao que realmente amamos e consideramos mais importante. Para saber se estamos vivendo com paixão, é bom checar se estamos colocando demasiado esforço no que fazemos ou não, se precisamos colocar atenção no que fazemos de forma inconsciente ou se não sentimos o tempo passar quando estamos fazendo o que gostamos. Explica ainda que "todos" merecem viver apaixonados, cada um de nós, por mais diferentes que sejamos (leia mais aqui).       

Considero importante viver a vida com paixão. Meu conselho: apaixone-se todos os dias, nem que seja por você mesmo, pois isso traz ânimo para a vida, faz querer continuar em frente, faz a vida valer a pena. Encontrei uma música que para mim, traduz exatamente isso e traz a seguinte mensagem: "a vida é boa demais para viver em vão".



Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que achou do post? Deixe um comentário.