agosto 10, 2017

Navegando pelos mares: minha primeira viagem de navio

Passadiço de um navio
Passadiço - Imagem: pexels.com


Continuando a escrever para o BEDA, hoje trago uma história de um período que marcou a minha vida tanto com alegrias, quanto com desafios.
Me casei e tive que assumir uma vida que não havia sonhado ter. Mas sabe, na verdade não havia sonhado com nada. Nem havia me imaginado casada.


Então, quando você aceita se casar com um marítimo, não imagina o quão forte você precisa ser ou o quão forte você se tornará pelo tipo de vida que acaba levando. Escrevi sobre isso em Desafios na vida de uma esposa de marítimo. Quando escrevi "Quer casar comigo?", já contei como foi que me casei. Antes de me casar, eu não tinha ideia do que era isso, ser esposa de marítimo. Na verdade, descobri que tinha dissabores e alegrias.


Meu marido foi estudar na Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM) quando tinha 17 anos. Saiu de casa com essa idade e ficou como interno. Aos 18 anos, já estava fazendo sua primeira viagem para o Japão. Se formou como 2º Oficial de Náutica (vulgo piloto) com 20 anos. Começou então a navegar e fez muitas viagens ao exterior.
Quando solteiro, aconteceu de viajar durante 9 meses seguidos indo ao Japão, Coréia, Singapura, etc. Ele gostava dessas viagens.

Assim que nos casamos, ele queria que eu o acompanhasse na primeira viagem que fez ao Japão. Por circunstâncias alheias à nossa vontade, isso não foi possível. Até hoje agradecemos a Deus por ter sido assim, porque durante essa viagem aconteceu um incêndio. Ele sempre me diz que se eu tivesse ido, nunca mais ia querer acompanhá-lo a bordo. Como não fui, não houve traumas e menos de um ano depois, eu estava fazendo minha primeira viagem ao exterior. Vou contar um pouco a seguir sobre essa viagem.

Antes de embarcar, foi uma maratona de idas a São Paulo para pegar o visto americano e também do Canadá. Consegui um visto de 4 anos.

Saímos de Paranaguá (o navio carregou soja) e fomos à Tarragona na Espanha, durando a travessia uns dezessete dias. Como foi minha primeira experiência de longo curso, fiquei meio impaciente. Durante esses dias, mudávamos de fuso horário a cada quatro dias para acompanhar o sol e para adequar nosso relógio biológico. Evitava-se assim um desconforto na chegada, pois a diferença é de 5 horas.
Ao chegarmos lá, parecia que tínhamos recebido um presente divino, porque foi paixão à primeira vista. Amei a cidade logo de cara e a achei linda e organizada. Banhada pelo Mar Mediterrâneo, fica a 100km a sudoeste de Barcelona, é destino de muitos turistas, tanto pelas praias, quanto pela tradição histórica e cultural. Conheça um pouco no vídeo a seguir.




Passeamos muito e fizemos amizade com um grupo composto por famílias que conhecemos numa igreja. Degustamos o prato típico espanhol, preparado pelos nossos próprios anfitriões, a paella. Fomos com eles a vários locais da cidade e participamos de um "sítio" como eles chamam o piquenique. Foi um período muito especial e nos deixou excelentes lembranças no coração e através de fotos que tiramos.  Nos correspondemos com um dos casais durante alguns anos por carta e atualmente tenho contato com a esposa, minha xará, pelo Facebook.

amigos em Tarragona
Casa de amigos em Tarragona - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

No dia da saída de Tarragona, a esposa de um marinheiro fazia aniversário e eu faria no dia seguinte. Ela providenciou uma festa surpresa para mim e comemoramos juntas. Achei um carinho muito grande por parte dela. Fiquei muito grata. Atualmente tenho contato com ela também pelo Facebook.


Festa surpresa - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

Saindo do Mar Mediterrâneo, fomos até o continente Africano. O destino foi a República da Guiné, mas nem baixamos terra porque além da distância a ser caminhada num trapiche, o navio não permaneceu muito tempo atracado. Alguns homens do povoado vieram a bordo para vender coisas.

trapiche em República da Guiné
República da Guiné - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

Depois fizemos a travessia para os Estados Unidos e fomos a Port Lavaca no Texas/USA. Novamente tivemos adaptação de fuso horário, porque a longitude era muito diferente. A cidade é bem pequena (36,5 km2) e nunca tinha ouvido falar desse lugar antes. Mas foi legal, porque lá adquirimos nosso primeiro computador. Era um laptop da marca Tandy e o chamávamos de Tandynho. No Brasil ainda era novidade. Curtimos muito esse equipamento, mesmo sem termos internet naquela época. 


Durante essa travessia, eu fiquei triste por não poder comemorar o aniversário de 1 ano de casamento como os casais normalmente fazem. Meu marido vendo que eu estava meio "pra baixo", saiu do camarote e pediu que eu esperasse um pouco. Pouco depois, entrou com um bolo feito de pão de forma com cobertura de chocolate, um creme branco e pêssegos, além de 2 latas de refrigerante. Fiquei super feliz por ele ter se empenhado em me alegrar.


bolo de pão de forma e refrigerantes
Bolo de aniversário de casamento - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

Na sequência, fizemos uma nova travessia, indo para Agadir, no Marrocos. Ficamos poucos dias e não deu para passear muito. Confesso que ao chegarmos no Marrocos, ficamos um pouco temerosos de andar por lá, depois relaxamos e caminhamos para conhecer. Se quiser saber como é, linkei aqui um vídeo sobre Agadir

cidade de Agadir
Agadir/Marrocos - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

Depois conhecemos então Casablanca, que é a maior cidade do Marrocos. É uma cidade linda e tem uma grande influência francesa na sua arquitetura, sendo o seu centro com edifícios brancos e Art Déco. Há também em Casablanca edifícios muito bonitos e imponentes de arquitetura marroquina. Talvez pela minha aparência, algumas pessoas olhavam para mim e achavam que fosse marroquina. Falavam comigo como se eu pudesse entendê-los. Ríamos muito disso. Caminhamos bastante por lá.

A população fala francês e árabe. Na cidade tem uma vila árabe com um mercado grande, uma espécie de feira com uma variedade enorme de utensílios, roupas e comidas. Fora da vila árabe, o comércio também era muito bom. A Alpha 55 foi uma loja que nos encantou. 



Mais uma travessia e estávamos nos Estados Unidos novamente e dessa vez na linda cidade de Nova Orleans (bem antes do furacão Katrina destruí-la).
Na foto abaixo, vemos um barco que fazia um passeio turístico pelo Rio Mississipi. Passeamos muito pela cidade.

Rio Mississipi em Nova Orleans
Rio Mississipi - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade


fonte em Nova Orleans
Nova Orleans - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade
Finalmente, fomos para Quebec, no Canadá. O navio entrou em um rio e como estávamos em novembro, este logo congelaria, então não ficamos muitos dias. Falava-se em -25ºC e não se poderia mais navegar. Foi muito legal, porque pela primeira vez andamos e brincamos na neve. A praça já tinha virado pista de patinação. Ao passear pelas ruas, os pés quase congelavam, mas não deixávamos de sair. Forrava minhas botas com jornal dobrado para tentar aguentar um pouco mais. A alternativa era entrar em lojas para aquecer os pés um pouco. Inesquecível para alguém que mora numa zona temperada, quase tropical.

brincando na neve
Quebec/Canadá - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

praça de Quebec no Canadá
Praça em Quebec - Foto: acervo pessoal / Raquel Trindade

Saímos de Quebec direto para o Brasil. A viagem inteira durou pouco mais de três meses. 

Bem, já queria ter escrito sobre isso a algum tempo, mas só hoje o fiz. Alguns detalhes acabaram se perdendo, mas como tenho o registro em fotos, não ficou tão difícil lembrar no geral.

Espero que tenham gostado da história e das fotos. Em breve vou escrever sobre as outras vezes em que fiz viagens de longo curso como essa. Até mais!



“Minha vida é como um livro, cada dia uma página, a cada hora
um novo texto, a cada minuto uma palavra, e neste segundo
um sim ou não que pode mudar minha história”.
Elan klever




Me siga nas redes


logo half BEDA





5 comentários:

  1. Uau, uma linda viagem, uma bélissima história.
    bacio

    ResponderExcluir
  2. Que fotos mais lindas! Tão bom lembrar viagens que marcaram nossa vida, né? Achei fofo o seu marido ter conseguido bolo e refrigerante pra você! ahaha <3

    Beijos... E ah, venha fazer uma visita ao meu blog!
    Entre Devaneios

    ResponderExcluir
  3. Ai que delicia ver essas fotos!!!!
    Adorei seu post!

    Beijos

    https://coracaopinup.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Você já foi a tanto a lugares incríveis *0*

    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir

O que achou do post? Deixe um comentário.