Um blog de variedades: organização do lar, dicas de nutrição e saúde, textos autorais, resenhas, culinária saudável, viagens e receitas.

Não posso comer isso, estou de dieta!

"Não posso comer isso, estou de dieta!"
Essa frase é muito comum, principalmente entre amigas que estão no sobrepeso ou obesas. Tenho amigas que me contam que estão fazendo esta ou aquela dieta. Mas, o que é mesmo uma "dieta"? Na verdade, Dieta são os hábitos alimentares de uma pessoa e esta não tem que estar focada ao tratamento de nenhuma doença e nem só a redução de peso. Simplesmente é o que a pessoa come no seu dia a dia. Portanto, todos temos uma dieta que muito provavelmente inclui hábitos trazidos de nossos familiares. Ela pode mudar para se conseguir diversos objetivos, como por exemplo o tratamento de doenças como a obesidade, que é o caso mais comum em que se utiliza a expressão "estar de dieta", mesmo não sendo o único motivo, pois os diabéticos por exemplo, também vivem numa dieta, evitando o consumo de açúcar, assim como os hipertensos, que evitam o consumo de sal. Atualmente a "dieta" mais comum é a Reeducação Alimentar (RA), pelo fato de que as pessoas, normalmente através da mídia, adquirem conhecimento sobre ter uma alimentação saudável e percebem que devem comer de três em três horas, consumir mais legumes, verduras, frutas, menos frituras, cortar refrigerantes, etc.

Outubro de 2000 - Essa foto me deu
o "click" para mudar meus hábitos.
Iniciei na RA no ano 2000, porque quando me vi numa foto com meu marido (a esquerda), me senti envergonhada e resolvi mudar. Tínhamos o hábito de comer pizza às sextas-feiras, sempre acompanhada de refrigerante.
Segui um cardápio muito bom para a época e passamos a comer salada verde várias vezes por semana (não só uma folha de alface de vez em quando, como entendia antes ser suficiente), mais legumes, cortamos frituras, refrigerantes, diminuímos o consumo de doces (isso sempre foi e é o nosso maior problema), passamos a comer pão integral, trocamos o queijo amarelo pelo branco, adquirimos o hábito de comer de três em três horas e beber mais água.
Janeiro de 2001 - Meu marido
com 6 kg a menos
Enfim, mudamos realmente nossos hábitos alimentares. A atividade física que fazíamos era a caminhada, porque estávamos sem carro e aproveitamos esse período dessa forma. Me casei no ano de 1989 com 57 kg e após alguns anos estava com 12 quilos a mais. Onde isso iria parar se eu não tomasse uma atitude? 

Em dois meses, perdi 3 quilos e meu marido perdeu 6. Não tirei foto minha, mas vejam a mudança do meu marido (ao lado). Na foto abaixo, após 14 meses de RA, nos sentíamos muito mais saudáveis e leves.


Dezembro de 2001 - 14 meses de
Reeducação Alimentar
Após alguns anos, nosso corpo se acostumou, abusamos um pouco na quantidade, principalmente no consumo de doces e voltamos a ganhar peso, mesmo continuando na RA, mas nunca mais engordamos como antes. Procuramos a ajuda de uma nutricionista que nos orientou quanto às quantidades. Percebi que a questão é ter disciplina e hoje faço atividade física diariamente também, porque além da idade que foi chegando e o metabolismo foi ficando mais lento, aos 45 anos fui diagnosticada com hipotireoidismo (que faz engordar), assim como o climatério após os 50 anos, que me trouxe alterações hormonais.
Recomendo a RA a todas as pessoas que querem melhorar sua qualidade de vida.
Vale a pena, porque não é necessário passar fome para atingir seu objetivo. Procure um médico e nutricionista antes de iniciar e para que seja bem orientado. Pratique atividade física diariamente.

Já a Dietética é a ciência que utiliza os princípios básicos da nutrição para permitir planejamento, execução e avaliação de dietas que se adequem aos indivíduos e suas características biológicas, socioeconômicas, culturais e psicológicas e às diversas situações de sua vida, como por exemplo, gestação, amamentação e atividade física dentre outras, prevenindo assim possíveis doenças e melhorando sua qualidade de vida e seu rendimento.

Há alguns aspectos a serem observados para que uma dieta seja bem feita:
  • higiênicos - prevenir contaminação e prolongar o tempo de vida útil dos alimentos
  • sensoriais - apresentar o alimento de forma atrativa, como sabor, odor, aparência e textura
  • operacionais - organizar o ambiente físico onde os alimentos serão manipulados (equipamentos) e uma pessoa que saiba prepará-los
  • econômicos - técnicas de preparo mais adequadas, rendimento da preparação, minimizar perdas

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

O que achou do post? Deixe um comentário.

Aprenda a fazer brigadeiro gourmet

TRADUZA O TEXTO:

.

.
Economize R$ 50,00

Seguidores

Seguir por E-mail

INSTAGRAM

Postagens populares

Total de visualizações

.