maio 08, 2017

Meu texto sobre Bullying, divulgado num outro blog

A convite de uma colega blogueira, tive um texto divulgado no seu blog. Nos conhecemos através de um grupo de interação no Facebook. O blog se chama Profano Feminino e fiquei muito contente pelo convite. Tem esse nome, não por profanar (desrespeitar), mas porque, coisas que são sagradas para as autoras, eram desprezadas pela comunidade ao redor.

Mas espera, ter um texto meu divulgado num outro blog? Que honra! Claro que eu aceitaria!

O texto é de minha própria autoria, mas parte dele veio de pesquisa bibliográfica feita para um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Fiz para uma pós-graduação que cursei na Universidade de São Paulo (USP). Esse curso se chamava Ética, Valores e Cidadania na Escola e era voltado para professores que estivessem em sala de aula. Penso que uma vez professor, sempre professor, mas dizer que está em sala de aula, é quando está exercendo a profissão naquele momento. Por providência divina, eu havia acabado de ser contratada por uma escola para dar aulas de Robótica (ainda vou escrever sobre isso aqui no blog). Vejam parte do texto:

"Recentemente, assisti a série 13 Reasons Why no Netflix, que fala sobre bullying, dentre outros assuntos. Não pretendo fazer uma resenha no sentido literal da palavra, mas é possível fazer algumas observações. É uma série americana, baseada no livro Thirteen Reasons Why (2007), escrito por Jay Asher. Foi feita uma adaptação por Brian Yorkey para o catálogo Netflix. Conta a história de uma garota que sofre com atitudes que considera negativas por parte de seus colegas de escola. Seus sentimentos são muito feridos e ela chega ao ato [...] mostra que os agressores são preponderantemente do sexo masculino, se concentram na faixa etária de 12 a 14 anos e cursam o 7.º ano, porém não há diferença significativa no que diz respeito à cor/etnia.

13 reasons why

Bem, se você se interessou, leia o texto completo em Bullying - Agressões e possíveis consequências.

Citei no texto, o filme “Bang-bang, você morreu”. Esse filme está disponível por inteiro no Youtube. Baseado nesse filme, foi criada uma peça que é apresentada em igrejas, centros comunitários e escolas de vários lugares do mundo. A peça serve de alerta para pais, professores e a comunidade em geral.  Veja um trailer do filme:




Se você leu o texto inteiro postado no outro blog, percebeu que eu mesma sofri com bullying num curso que terminei recentemente. Para mim, a consequência foi me sentir muito desanimada e não via a hora de terminar. Não me empenhei mais tanto e pisava em ovos ao falar qualquer coisa em sala de aula. Fiquei muito triste, mas graças a Deus, passou! E a vida continua.

Que venham outros convites para interações de blogs assim.




Me acompanhe nas Redes:

5 comentários:

  1. Raquel fico feliz que você tenha aceitando o convite para compartilhar lá no blog um pouco da tua experiência. Pode ter certeza que tuas palavras vão ajudar muitas pessoas que se encontrar em uma situação parecida com as retratadas no texto. Gostei de saber que tem esse filme completo no youtube, pois pelo que você escreveu ele muda nossa percepção das coisas assim como a série da Netflix.

    Parabéns pelo blog e sucesso!

    ResponderExcluir
  2. Que bom colocar em palavras sentimentos oriundos dessa prática tão abominável como o bullying.. Depois vou ver o texto lá! Que tenhas uma linda semana! Parabéns pela publicação e essas interações são ótimas! bjs, chica

    ResponderExcluir
  3. Oie, tudo bem? Essa série tem chamado muito a atenção pelos diversos assuntos abordados, uma pena que não tive tempo de assistir... ainda. Deve ter sido uma sensação incrível ter seu trabalho reconhecido por outro blog. Desejo muito sucesso e que seu blog continue crescendo. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  4. Achei muito interessante esse convite para postar em outro blog! Só não entendi bem se você baseou seu texto no livro ou na série, porque no segundo os personagens aparentam ser mais velhos do que a faixa que você citou. Vou lá no Profano Feminino ler a postagem completa!
    Literalize-se

    ResponderExcluir
  5. Realmente, Gislaine Motti, a faixa etária citada em meu trabalho diz que estudos comprovam isso, é diferente da faixa etária dos personagens. Mas, como citei, pode acontecer em qualquer idade. Nos filmes americanos que assistimos, normalmente é no High School que mostram o bullying, mas acontece antes também.

    ResponderExcluir

O que achou do post? Deixe um comentário.